segunda-feira, 27 de junho de 2016

Rosa dos Ventos

Ando confusa nas minhas assertivas
Distraída e pensativa. Conclusiva.
Tenho caminhos não percorridos ainda por aqui
Falta ainda muita conclusão.
Ando caminhante pelos meus pensamentos
Tantas estantes, palavras empilhadas
Histórias, estudos, cálculos, riscos, palavras
Tenho mais a saber a querer aprender
Sei que sei que nada basta nunca
Tudo que penso fica, tudo que aprendo muda
O tempo a cor a postura diante dos meus próprios escudos
Minhas flechas alteram a direção
Ando montando guarda e não há escuridão
A luz cintila trêmula com o vento das mudanças que só... são

segunda-feira, 25 de abril de 2016

terça-feira, 12 de janeiro de 2016


Hoje foi um dia de desafios vencidos... dieta, dentista, academia... Bom retorno, muita vontade e força mais ou menos...kkk pegando no tranco, 2016, lá vamos nós... 
Menina! Tira a maquiagem pra dormir! Faz as sobrancelhas! Passe fio dental. Faça academia. E também as unhas. Hidrata as pontas desse cabelo! Durma cedo. Acorde cedo. Aproveite o verão. Leva o guarda chuva. Recarregue o bilhete único! Compre a ração. De atenção aos amigos! Escreve aquele artigo! Pagou o condomínio? Rezou, neh? Hoje eh dia de louvar aquele que cuida dos nossos caminhos, não esquece! Vai ao mercado. Preparou a dieta de amanha? Vai pegar gripe desse jeito! E as roupas, vai deixar na secadora? Resolveu o carro? O IPVA? Comeu uma maçã, é bom uma por dia. E um copo de vinho. Também 3 amêndoas. Responda o whatsapp, mas não rápido. Não demora, é urgente. Agora precisa voltar a pós graduação, né? Manda aquela música para sua tia! Da uma espiada no feed do face. Recarregue o celular. E as pilhas. E os bolsos. E as energias. Alguém pode precisar. Vamos retomar o reiki, a energia atlante. Recite um mantra para equilibrar. Aprenda árabe. E o novo Código de Processo Civil. Entenda os outros. Não durma com o cabelo molhado! Desligue a tv. Guarde a louça também. Pense só coisas boas. Não sinta saudades, ele não merece. Cuidado para não ser mal interpretada. Cuide de sua aparência. E das palavras. E da voz. E do que anda escutando. Faça uma boa ação todos os dias. Não julgue. Aprenda mais sobre a Bíblia. Queira comer menos. Coloque água na planta. E na fonte que ganhou de presente também. Eleve os pensamentos em oração pelos que ama. Leve o presente de casamento da sua amiga. Agradeça o porteiro, que lembrou do Controle remoto. Agende o oculista. Vê se dorme. Faça poesia. Não sofra. Corra. Caminhe alternadamente, gasta mais calorias. Cuide sempre. Faça as unhas de novo. Esqueceu a tinta do cabelo. Faz um post no facebook. Atualize seu blog. Espie o twitter. Atualize-se sobre a política. Não generalize. Encante-se. Renove-se. Lava o rosto. Passa protetor solar. Tira a maquiagem. Faça a maquiagem. Não se atrase! Não se adiante. Tira os sapatos. Troque os brincos. Jogue fora o jornal. E as notícias velhas. Não desliga o despertador. De um sorriso.Completando: visitar os primos. Os tios. O padrasto. Ir a um orfanato. Entender de signos e que a Via Láctea gira em torno de Alcyone.

terça-feira, 17 de novembro de 2015

Nova palavra, sorriso vazio
Mas ninguém sabe
Mas por quê? Me pergunta você.
Não ter, não saber, não entender
Querer.
Sem ter explicação.
Sentir é mudo. Cala e sente.
Disfarçando então
Pra ninguém ferir (nem interferir)
Me deixa quieta. 
Prender a respiração pra mergulhar.

Meu profundo mar

segunda-feira, 13 de julho de 2015

ERA O MELHOR BEIJO DA MINHA VIDA

E eu nem desconfiava. E era carnaval, e era madrugada.
Ele chegou devagar, falou devagar.
Aquele olhar profundo que ainda hoje posso ver (e me perder)
E  era mais um copo, mais um whisky barato
E agora já era quase manhã
Mas ele chegou, depois ficou
E eu de preto, de luto, de surto na calçada
E ele me levou – olhei o rio, a água contrária. Os nossos passos.
Olhei você – e um telefone no meio do caminho fez meu mundo rodar
E seu toque minha boca sua voz meu olhar já eram trocados
Meu toque sua boca minha voz seu olhar
Meu mundo ali. Agora eu era Nasa, sem gravidade. Mas tinha você.
E o melhor beijo dos meus dias. E eu ali já sabia.
E foram tantas as nossas madrugadas (e nossas risadas)
Passam tardes, anos, horas.  É só fechar os olhos
E já é madrugada de novo. E é dia dez de maio de um ano depois de muitos outros
E é teu olhar. E é minha voz. E é tua pele. E é meu beijo. E é tua boca.
Mais saudade de novo. Distância administrada. Muita estrada.
Mas o teu olhar que é meu. O meu beijo que é teu.
E era sem gravidade. E era quase hoje. E era saudade. E o rio está lá.

E o silêncio da catedral. E o sorvete pra alegrar o dia. E sua camiseta de banda de rock. 

terça-feira, 6 de maio de 2014


Quando um pensamento rápido faz com que um nó no estômago seja remexido. Um rápido tremor, algo entre o frio e o corte. A mente debate, desvia e procura. Mas a busca é por tantas coisas que tudo se mistura e fica cinza. Porque as cores mudam com as misturas. E as idéias também. E muitas vezes as certezas. 

quarta-feira, 30 de abril de 2014

O sozinho e o fundamental...

Vejo gente que se acha feliz sozinha.
Aí, vejo amigas e mais amigas tirando fotos, indo pra baladas e montanhas.
Vão e voltam, sozinhas.
Vejo gente sozinha feliz, mas que sempre está num grupo onde outras pessoas sozinhas, também se comportam como felizes.
Mas na verdade, acho que todos querem ter uma companhia. E estou é falando de amor.
Os amigos que saem em bando e só olham as mulheres se expondo, mas tiram suas fotos com os outros brutamontes e suas vodkas, onde só os energéticos mesmo fazem real par.
Por outro lado, vejo gente que se embandeirava #soufelizsozinho #soufelizsozinha e trocando todas as suas capas do facebook com seus amores do momento - quiçá eternos -  que Deus conserve!
O que vejo também, é que as pessoas não gostam de admitir, lutam um pouco contra, mas é que ultimamente todo mundo tem sido muito só.
E quem arruma uma companhia mais frequente, quem encontra alguma afinidade e consegue criar um vínculo afetivo, e até se apaixonar... conquista algo que quem está a margem, finge que não quer. Então, acho que não devem resistir. Lutem por isso, façam acontecer.
Acho que as pessoas não estão aqui pra ficarem sozinhas. Temos que aprender com o outro.
E esse outro, claro, vivendo em sociedade, pode ser o vizinho, o colega de curso, de trabalho, ou um parente ou amigo.
Mas a convivência a dois ensina coisas diferentes. Desde o namoro ensina.
Eu sou franca em dizer que não gosto de ficar sozinha. Apesar de também ter meus álbuns recheados de sorrisos e momentos felizes, falta sim, algo ali. Falta um coração piegas feito com as mãos.
Sou uma romântica condenada a crer que tudo ainda será possível, e se renova com o amanhecer.
Sou romântica mas detesto ser. Acho mesmo que quem enxerga a vida com menos cintilante pode ser menos afetado.
Li por vezes que leoninos vivem seus 'contos de fada' em cada história que entram. E pior, pasmem... mas é!
Vejo pessoas querendo dizer nas entrelinhas... estou livre, fazendo mil coisas sozinho, mas queria mesmo, era planejar uma lua de mel :P
Vejo aqui e ai também.
Vejo comigo mas vejo em você. Vejo também, naquele que estampa a solidão acompanhada.
(e essa sim, é contundente, pontiaguda, ardente, profunda e cortante) - melhor é fugir!!

Vejo tudo, fico silente e guardo as idéias pra um dia deixar aqui.
No final, vejo que quem está com alguém, é mais feliz, apesar de saber que não podemos depositar nossa felicidade nas mãos de outra pessoa, mas tomar as rédeas e fazer a escolha certa. A filosofia ensina que ser feliz é saber fazer as escolhas certas.
Veja você, leia você. Escolha você. Viva você. Viva, você!

"Fundamental é mesmo o amor, é impossível ser feliz sozinho"

quarta-feira, 13 de novembro de 2013

Tantalicamente buscando
Utopicamente alcançando
Indubitavelmente duvidando
Impulsivamente planejando
Inigualavelmente diferenciando
Dramaticamente simplificando
Amavelmente odiando
Calmamente incendiando
Instantaneamente adiando
Emocionalmente pensando
Criativamente conservando
Gerundicamente falando
Terminantemente calando.

quarta-feira, 6 de novembro de 2013

mas a louca ainda é feliz
em saber que tem um coração
que sou como sempre fui
apaixonada, entregue... 
e despedaçada como a rosa do cravo que brigou
é bom sentir vida. Ainda que dôa. Se dói, é porque fez muito bem antes
porque do que não fez bem, a gente não sente falta.
ainda não abro mão disso, é esperar um band aid pra alma
e quando estancar e cicatrizar o pedaço que me morre
o que fica fica mais forte. Mas espero - e quero - que eu permaneça assim
permeável ainda. 
Que a água possa sempre me invadir. 
Não acho que quem vive blindado, viva melhor... mas entendo quem o faz.
E acho que é nesse período de luto como o meu, então tomo um cadim de cuidado
a cada dia, pra não entrar na paranoia de defesa, e botar meu coração numa muralha.


quinta-feira, 10 de outubro de 2013

O DIA EM QUE A LONA CAIU

O DIA EM QUE A LONA CAIU

...meus neurônios, em trabalho incessante, para arquitetar, equilibrar e sustentar uma lona para que não chova no meu pensamento. 

A chuva vai e vem, eles correm com suas escadas, para sustentar onde a lona ficou mais pesada... agora vai piorar - avisou um sentinela! Mas o projeto é bom, e lá correm eles com suas bases de sustentação e retiram novamente qualquer excesso de água que cause alguma deformidade na cobertura. 

Um dia só vem a garoa, fina, fria... mas bem mais fácil controlar. Os engerônios descansam... aproveitam pra dormir, já que o trabalho dos últimos dias foi - apesar de estável - contínuo. 

Sempre alerta, o novato da equipe avisa: atenção, hoje o tempo pode desestabilizar e cair uma chuva forte! Mas os mais experientes, uns sentados aqui, outros alí não acionaram o sprinckler invertido no momento necessário. 

Ouvem ? Trovões ? Mais e mais fortes... agora eles se agitam para todos os lados procurando equilibrar... equilibrar. Mas a lona apresenta bolsas d´água pra todos os lados, um alerta foi acionado, corram engerônios, corram, salvem a estrutura, ali, não pode, não pode chover! - grita silencioso o meu cérebro! 

E as sombras que se formavam no solo, com a aproximação de cada ponto onde o acúmulo da água gerava, corriam soltas, perdidas, tentando se abrigar. Minutos infindáveis, e os arquitetos da minha mente, já tendo utilizado de todo o seu conhecimento e técnica, sucumbiram, molhados, na explosão contida, contínua e invasiva. 

"Mas tem gosto de sal com açúcar..." - disse um operário insensato. "Calado", diz o mestre. 

Agora temos que desenvolver o talude para a decantação. Tem coisa que ainda vai servir na reconstrução. 

w.e.